A Baleia Azul nos Açores

Hoje sabemos, que o maior animal que alguma vez existiu na Terra, a Baleia Azul, visita todos os anos os Açores, principalmente na Primavera mas, nem sempre foi assim. 

Recuando no tempo, há cerca de 45 anos, um jovem investigador chamado Richard Sears apaixonou-se por estes magníficos animais aquando da sua visita à região do Quebec no Canadá, mais propriamente às Ilhas do Arquipélago de Mingan.

David Rodrigues | Uma baleia azul na ilha de São Miguel

Nestas pequenas ilhas do grande estuário do rio Saint Lawrence, todos os anos a baleia azul e outras espécies de baleias de barbas juntam-se às dezenas ou mesmo às centenas para se alimentar.

Foi lá que fundou o Mingan Island Cetacean Study (MICS), um centro de investigação que pretende saber mais sobre estes incríveis animais. O que mais queria saber era: o que ali faziam, de onde vinham e para onde iam?

Isso fez com que há cerca de 25 anos tenha visitado as Ilhas Açorianas para saber se por aqui encontrava as baleias azuis que todos os anos visitavam as “suas” ilhas.

David Rodrigues | Duas baleias azuis a nadar juntas

Felizmente nos Açores há mais de 30 anos que se faz observação de baleias, principalmente do nosso icónico Cachalote, e com os conhecimentos do agora experiente investigador Richard e a colaboração das empresas de observação de baleias nos Açores, começou-se a construir um catálogo dos animais que eram identificados através de fotografias do seu corpo.

Era importante analisar a sua pigmentação característica, que pode variar entre o cinzento claro e escuro, e que é diferente em cada animal, idêntico à impressão digital que cada um de nós possui e que nos distingue.

E assim ao longo das últimas décadas, o nosso conhecimento sobre as baleias azuis tem aumentado a cada ano, e o que antes era apenas algumas baleias azuis passaram a ser dezenas e depois centenas identificadas nos Açores.

David Rodrigues | Um sopro de baleia azul

Atualmente mais de 700 indivíduos diferentes já foram vistos nas “nossas” ilhas Açorianas. Desses 700, todos os anos alguns regressam aos Açores e foi isso que aconteceu no sábado, a baleia azul que avistámos durante a nossa saída já tinha sido avistada nos Açores em 2014.

Por isso, vamos continuar a tirar fotografias todos as vezes que formos para o Mar, porque queremos saber mais destes incríveis animais bem como de todas as espécies de cetáceos que aqui vivem, que estão de passagem ou que raramente nos visitam.

Assim hoje sabemos isto, mas amanhã poderemos saber muito mais.

Texto por Rui Peres dos Santos, PhD student and Researcher at: CCMAR-Centre of Marine Sciences Resources, Restoration, Connectivity and Climate (R2C2) and Mingan Island Cetacean Study (MICS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

You May Also Like