Biólogos da Futurismo investigam comprimento dos cachalotes em São Miguel

As viagens de observação de cetáceos com a Futurismo são muito mais do que passeios para ver baleias e golfinhos. Os passeios de whale watching são também uma excelente oportunidade para recolher informação sobre os cetáceos.

A última novidade, que sabemos agora e com alguma certeza, é o comprimento de alguns cachalotes que observamos em São Miguel. A investigação que os biólogos têm vindo a fazer, principalmente recorrendo ao som dos cachalotes gravado debaixo de água durante as viagens, permite estimar as medidas dos animais.

Todos estes “achados” são fundamentais para fins de conservação, pois o tamanho da população e a sua estrutura etária são importantes para avaliar a saúde das espécies.

Vamos a um exemplo concreto, Cristina Marcolin (aluna da Universidade de Génova e que esteve na Futurismo a fazer a sua tese de mestrado), fez um trabalho incrível recorrendo a arquivos acústicos para saber o tamanho dos cachalotes registados, via hidrofone, durante as nossas viagens de observação de baleias e golfinhos.

Cristina Marcolin conseguiu estimar o comprimento de alguns dos nossos amigos e conhecidos cachalotes que estão identificados no catálogo das espécies da Futurismo. Um deles, é um cachalote fêmea que batizámos de Orca (pela sua coloração semelhante às orcas). Pertence a um grupo de pelo menos 10 cachalotes que acompanhamos desde 2003!

Pois, agora sabemos ainda mais sobre esta nossa amiga cachalote Orca.

Estimamos que tenha 9m de comprimento, ou seja, já é uma adulta! Para ter uma ideia, as fêmeas adultas podem chegar aos 12m e os machos adultos aos 18m.

E como é possível estimar o comprimento dos cachalotes?

Os cachalotes produzem uma variedade de ruídos que são captados pelo hidrofone, principalmente os cliques que eles emitem. Geralmente são cliques de ecolocalização, que os cachalotes emitem durante mergulhos profundos para capturar presas. Mas também podem ser codas, padrões de cliques semelhantes às canções que caracterizam cada clã e são usados para comunicarem uns com os outros.

De ressalvar, que os passeios de observação de cetáceos são uma excelente oportunidade para recolher informação sobre os animais marinhos. Na Futurismo costumamos registar o local e alguns outros apontamentos sobre a observação de uma espécie e muitas vezes, tiramos fotografias que são posteriormente utilizadas para identificação dos indivíduos. Ambos os tipos de dados já são amplamente utilizados e coletados por embarcações de observação de baleias em todo o mundo. No entanto, outro tipo de dados, como a análise ao som dos animais debaixo de água são um pouco mais desafiantes para coletar com turistas e passageiros a bordo, mas a Futurismo faz este trabalho meritório.

É aliás também por isto, que a Futurismo se destaca de tantas outras empresas de whale watching nos Açores. Frequentemente usamos hidrofones para procurar cachalotes no mar e, mais recentemente, para coletar algumas gravações de áudio. Até aqui, esses arquivos de áudio eram usados principalmente para partilhar os incríveis sons com os nossos viajantes. No último ano, a utilização dos sons ganhou uma nova dimensão tornando possível estimar o comprimento total do corpo dos cachalotes.

Mas há ainda um dado curioso! Através do som, não é possível estimar o tamanho de outras espécies, só mesmo dos cachalotes. O conhecimento que já existe sobre o cachalote, do espermacete e da sua densidade são as informações que nos permitem perceber o tamanho do animal. 

Os cachalotes são uma espécie única entre os cetáceos e sua característica mais singular é o aparelho nasal. Eles têm apenas uma narina, localizada na parte superior esquerda da cabeça. Um complexo sistema de produção de som está presente na cabeça, como mostra a figura abaixo:

Aparelho nasal de um cachalote (Caruso et al., 2015)

Geralmente, cada clique de cachalote consiste em vários pulsos . A distância de tempo entre dois pulsos (inter-pulse interval ou IPI) está relacionada com o tamanho do órgão gerador de som, o espermacete. Ora, o tamanho deste órgão pode ser usado para estimar o tamanho da cabeça e, portanto, também o comprimento total do animal, aplicando algumas fórmulas padronizadas (Gordon et al., 1991; Growcott et al., 2011). A investigação é maravilhosa!

Para a tese de mestrado, Cristina Marcolin implementou um protocolo atualizado e aprimorado a bordo dos nossos barcos de observação de baleias e golfinhos para registar os cliques dos cachalotes depois de mergulharem. Juntamente com a restante equipa de biólogos da Futurismo, foram coletadas e analisadas dezenas de gravações. Foram usadas diferentes abordagens para obter os IPIs de cada indivíduo para calcular o melhor possível a estimativa de comprimento.

Cachalotes em São Miguel

A equipa de biólogos marinhos da Futurismo estimou o comprimento do corpo de mais de cem cachalotes! A maioria representa ter menos do que 12m (ou seja, há maioritariamente fêmeas ou machos jovens, na ilha de São Miguel. E apenas 28% dos indivíduos são maiores do que 12m (isto é, já são machos adultos). Importa referir que cada medição não pertence necessariamente a um indivíduo diferente, pois nem sempre foi possível relacionar os arquivos de áudio com a identificação do animal.

Devemos dizer também que a recolha de dados úteis a bordo dos barcos de observação de baleias e golfinhos é um desafio, e a tentativa e erro fazem parte do processo. Mas também percebemos que sim, que é possível fazer mais e melhor com poucos ajustes metodológicos adequados e com a recolha de dados acústicos valiosos para fins científicos.

É de reconhecer o esforço extra feito pela tripulação e biólogos da Futurismo, tanto para recolher as informações como para aprender e informar os nossos turistas sobre a investigação em andamento sobre as maravilhas subaquáticas do oceano.

A Futurismo e a World Cetacean Alliance

A Futurismo é líder em Turismo Responsável no arquipélago dos Açores e é também uma empresa responsável para a observação de baleias e golfinhos com a certificação internacional da World Cetacean Alliance – a maior organização de proteção de cetáceos do mundo. Saiba mais sobre a nossa paixão pela sustentabilidade e o artigo sobre as medidas dos cachalotes que saiu na newsletter mensal da WCA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

You May Also Like