Avistamentos de cetáceos no Pico em agosto de 2022

Em Agosto, a época alta na Ilha do Pico está a chegar ao fim. No entanto, não significa que já não haja baleias e golfinhos!

Em Agosto, conseguimos registar pelo menos 13 espécies diferentes de cetáceos à volta da ilha.

No Top 5 das espécies registadas este mês estão: Baleias sardinheiras (Balaenoptera borealis) Golfinhos pintados do Atlântico (Stenella frontalis), Cachalotes (Physeter macrocephalus), Baleias piloto (Globicephala macrorhynchus) e golfinhos de Risso (Grampus griseus)!

Em termos de avistamentos espetaculares, este mês foi claramente um dos meses mais espantosos alguma vez registados aqui no Pico.

As baleias sardinheiras continuaram a aparecer, embora não seja a época certa para as ver regularmente. No entanto, não só as conseguimos ver todos os dias, como também nos ofereceram momentos extraordinários que ficarão para a nossa história!

Tivemos animais jovens surpreendentemente curiosos com o barco e cenas de alimentação de cortar a respiração que pareciam fazer parte de um documentário da National Geographic. Este ano, há muita “comida” à volta da Ilha do Pico, o que pode ser uma razão para que esta espécie geralmente migratória permaneça por muito tempo.

Todas estas grandes bolas de isco, como são chamados estes grandes cardumes de pequenos peixes, atraem outras espécies. Por exemplo, conseguimos avistar o golfinho pintado do Atlântico praticamente com o mesmo comportamento todos os dias. Muitas vezes eram vistos a alimentar-se nos mesmos locais à volta das bolas de isco, como as baleias sardinheiras. Enquanto as baleias sardinheiras se alimentam de plâncton, krill e pequenos peixes, o golfinho pintado do Atlântico também gosta dos pequenos peixes, mas também gosta de alguns dos atuns que nadam por aqui à volta. Embora o golfinho pintado do Atlântico seja a nossa espécie mais pequena aqui, com até 2,1 metros de comprimento, há por vezes peixes do tamanho de 1 metro de comprimento encontrados nos seus estômagos. Engolem-nos completamente sem os mastigar.

Em contraste, os nossos cachalotes locais só apareceram 82% do tempo. No entanto, estes momentos em que vão para um mergulho à procura de alimento ficam sempre no nosso coração. Os cachalotes alimentam-se principalmente de lulas de todos os tamanhos, mas estas têm menos conteúdo energético do que os peixes. Este facto reflete-se também nas suas adaptações de movimento. Movem-se geralmente mais lentamente e entre mergulhos descansam durante algum tempo à superfície.

Este comportamento de repouso pode ainda ser visto em baleias piloto, que também conseguimos ver em 82% dos nossos dias de viagens no mar! Ocorrem frequentemente na proximidade de cachalotes, devido às mesmas fontes alimentares. Depois de capturarem algumas das deliciosas lulas em profundidades de cerca de 600-900 metros, foi possível observá-las a descansar à superfície durante um longo período de tempo. Infelizmente, esta espécie não fica durante todo o ano. Quando faz muito frio nos Açores, elas partem para águas tropicais, mas não muito longe, à volta da Madeira, temos uma população residente.

Ainda assim, temos populações residentes de outras espécies de golfinhos – como por exemplo os golfinhos de Risso, que vimos em 79% dos nossos dias. Este mês tivemos ainda mais razões para estarmos felizes! Um grupo de fêmeas apareceu e foi seguido por um grupo dos nossos machos locais. Conseguimos ver saltos fabulosos de alguns machos para impressionar as fêmeas. A população local está a diminuir, por isso gostaríamos de ter alguns descendentes para o próximo verão!

Claro que também vimos os nossos outros golfinhos residentes com bastante frequência, como os golfinhos comuns e os golfinhos roazes.

Outro destaque deste mês particularmente bom, foi o  avistamento de baleias de bico! Estivemos tão perto que foi possível identificar a espécie de uma boa quantidade delas. Isto é difícil de acontecer numa família tão elusiva. A maior parte do conhecimento recente sobre elas provém apenas de indivíduos encalhados e mortos porque não são fáceis de encontrar e observar. A enorme quantidade de vida selvagem à nossa volta deixa-nos tão gratos! Portanto, mantenham-se atentos ao que o próximo mês nos trará!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

You May Also Like