103 baleias de bossa identificadas nos Açores

humpback whale 100 azores

Na Futurismo fazemos muito mais do que proporcionar passeios de observação de cetáceos para quem quer ver e aprender sobre a incrível biodiversidade marinha que temos aqui nos Açores. Em cada viagem que fazemos, os biólogos da Futurismo recolhem dados sobre as diferentes espécies de cetáceos que avistamos, desde a localização por GPS de tais avistamentos, a data e a hora, fotos e comportamentos. Todas as informações recolhidas serão usadas para complementar o nosso conhecimento sobre essas espécies e contribuir para a comunidade científica, fornecendo informações desta área do oceano Atlântico.

Laura Benítez, bióloga marinha e investigadora da Fundação Yubarta, Colômbia, fez um estágio com a Futurismo nos últimos três meses. Nestes meses, atualizou o catálogo de baleias-de-bossa da Futurismo, com fotos das ilhas de São Miguel e Pico, conseguindo completar o mesmo com 103 baleias-de-bossa que passaram por ambas as ilhas.

As baleias-de-bossa podem ser foto-identificadas através das barbatanas dorsais e caudais. Um indivíduo pode ser identificado pela forma e pelos cortes da sua barbatana dorsal, pelos padrões de coloração da sua cauda, por cicatrizes e marcas corporais e por qualquer outra característica específica que permita distinguir um indivíduo dos outros.

O registo destas informações em fotografia juntamente com os dados de avistamento (localização de GPS, data e hora, comportamentos…), permite-nos compreender melhor a biologia e a ecologia da espécie, como a dinâmica populacional, estrutura social e padrões migratórios locais e globais. Por exemplo, através da foto-identificação, a equipa de biólogos da Futurismo em conjunto com a Laura conseguiram perceber que as baleias-de-bossa nos Açores são avistadas principalmente entre os meses de março e junho. Além disso, embora a maioria dos animais sejam avistados sozinhos, grupos de duas ou mais baleias-de-bossa, grupos de um adulto e um juvenil, juvenis sozinhos e até mesmo uma fêmea com 4 adultos já foram avistados aqui.

O que é que isto significa? Não sabemos AINDA! O que sabemos é que as baleias-de-bossa do Atlântico Norte passam os meses frios do inverno no hemisfério norte em águas temperadas e subtropicais mais quentes, onde se reproduzem e dão à luz. Quando o verão chega, começam o trajeto de volta para as áreas de alimentação no norte do Oceano Atlântico. Também sabemos que certos comportamentos são mais comuns nas áreas de alimentação do que nas áreas de reprodução e vice-versa. Por exemplo, o acasalamento, a amamentação, saltar, cantar ou comportamentos competitivos e agonísticos são vistos principalmente nas áreas de reprodução, enquanto que o comportamento de alimentação cooperativa é tipicamente encontrado nas áreas de alimentação. No entanto, as baleias-de-bossa saltam e cantam nas áreas de alimentação também. Nos Açores temos registado alguns destes comportamentos, como saltos e alimentação. Mas mais uma vez, o que é que isto significa? Mais uma vez, não sabemos AINDA!

Mas isto não é tudo. Sabemos que algumas das baleias que avistamos aqui já foram reavistadas, isto significa que algumas já foram avistadas mais de uma vez. Alguns dos avistamentos foram aqui nos Açores, não só nas ilhas de São Miguel e Pico, mas também um na ilha Terceira. No entanto. não foi só nos Açores que reavistámos alguns dos indivíduos já identificados, ao partilharmos as informações e fotos que recolhemos com outros cientistas e especialistas em baleias-de-bossa, conseguimos identificar que certos indivíduos foram também avistados em Cabo Verde, Islândia, Noruega e até Terra Nova ou, mais recentemente, a norte da Rússia!

Os Açores são um arquipélago vulcânico no meio do Oceano Atlântico, e um local de infinitas maravilhas. Não sabemos exatamente o que é que as baleias-de-bossa fazem aqui, serão os Açores uma escala para alimentação, descanso ou comunicação, antes de continuarem a sua migração? Como é que esta espécie usa o habitat? Quanto tempo fica aqui? Para onde vão exatamente? Cabo Verde, Canárias ou Caraíbas? Islândia, Noruega, Gronelândia ou Canadá?

Há tanto que não sabemos sobre os nossos oceanos, há tanto por descobrir sobre estes gigantes do oceano e a sua presença nos Açores. Conseguem encontrar um motivo melhor para os biólogos da Futurismo fazerem este trabalho???

Um obrigado à Miranda van der Linde e ao Rui Santos que desenvolveram a primeira versão do catálogo de baleias-de-bossa da Futurismo.

Mais informação? Veja o webinar de Laura Benítez mais abaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

You May Also Like